quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Perfume da Dama da Noite


Quero
Acreditar que a fragrância do jardim
Impregnou em ti
Que os meus amores
“Beija flores, borboletas e querubins”
Cheiram-te, de ti bebem
Comem por mim...
Nos bordados dos sonhos
Tingindo as vestes de rosa mesclando de lilás
E que os laços são feitos de afetos
“São fartos beijos, são nós de abraços”
Que as mãos repisam em amoroso silencio
As cenas que lembram
A suavidade das curvas...
O mergulho das línguas, contornando as bocas...
As insinuações dos apuros, armando para que me acudas!
... E "Assim que os olhos se abrirem
Serão ofuscados com o douro dos teus cabelos"
E este cheiro de sol que deles ainda inebria
O meu despertar
Por certo todas as manhãs á mim darás

Mas por hora estou á me encantar
Até que o odor da dama
Por vez te fulmine
E o teu sorriso seja o meu anunciar

Vera Lúcia Bezerra Freitas
Imagem Google

terça-feira, 27 de outubro de 2009

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Um Eco para Manhã


... E o mar é quente!
Descamisado, vicioso,
As ondas dançam a versão
Do vento para me encantar

E como um açoite que inflama
O corpo parece falar

- Se lança Vera
“Queda sobre a boca do lajedo, para quebra mar"

O Limo acobertando as pedras
Cochicham a minha queda
E parecem de eu zombar!
- QUEBRA MARRRR...
Mais uma onda, deslizo profuuundo sem ar...
O mar, o mar amar
Ahhh!
Não mais acordar
*
Vera Lúcia Bezerra Freitas
Imagem google

*...Tripulantes Cheias e Vazantes, destino o mar


Talvez seja bom
Se quebrar em ondas, vestir maresia
Ter estrelas nos cabelos
Não fosse Verinha Blá, blá, blá
Que não para de falar!!

- Doce é mergulhar na transparência do rio
Fica invisível, alma ainda mais serena
Que até se pode falar com os habitantes das margens

E você os conhece?

Eu os vejo agora
Quando estou menos crítica comigo...

Meu pulmão é todo coração inundado
E este ar é tão macio que me deixo levar
Pelos efeitos, meio zonza com as
Sinuosas das correntes falantes...

O que querem mesmo dizer?
* ... Rios não morrem sem ver o mar!

... Mas vou indo, me contradizendo
Céu descampado
Me tingindo de azul!
Não saber diferenciar
Espelho d'ouro céu d'água...

Tão bom vazar o habitante de mim
Tão bom dormir
Depois acordar Gaivota, assim
*
Vera
Imagem Google

domingo, 25 de outubro de 2009

OLHA EM ROSA


























Olha Poeta, olha!
Se fosse Flor Seria de lótus
Mas como voa é beija flor
a beijar -te enquanto flor

Lançar-se a a mar

em seus braços amaranhou

e banhou-se em teus olhos
vertigem de amor... 

Fixou-se  em suas retinas

Com a força contagiante
deslumbramento infante
ternura de uma menina...


E esse barulho igual tambor

Eriçando as cordas do violão?

Ah, poeta! Bem sabes,
é paixão, tem jeito não.

É um acervo, acerte o tom

De um acorde sua canção
É SI e SOL

Correndo na soberba dos dedos
a tocar o encontro sem fôlego 


Vera Lúcia Bezerra Freitas
Imagem Verarosa

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Portas


...Quando tudo parece que já foi dito

Tenho um alfabeto de histórias em cada letra...

Então eu vou criando um conto diferente

Do que eu gostaria de ti contar

"é pra não assustar"

Vai que vira vento sorrateiro...

To inventando portas, hora dessas me encontro...


Vera Lúcia Bezerra Freitas
*Imagem google

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Sem Postagem

Tu bem entendes desta fome
Percorre todos os cantos deste piso
E jaz se dela comem, consome!
Neste plano, neste caminho do nada
Sem postagem tua, sem imagem, sem mim
Sinto o frio de a lâmina atravessar meu corpo
E nesta a morte de um não, de um sim.
Eu olho esta página vazia
Eu querendo estar por traz dela
Passar e tocar- te derrepente
Bem perto e assanhar teu juízo.
Mas, cerraram meus lábios as palavras
Serra em meu infinito a loucura
Repouso meu mundo surdo
Relendo as horas perdidas
E às vezes eu tenho vergonha...
Então, eu choro pelos meus
Lamentos pedidos.

*
Vera Lúcia Bezerra Freitas
imagem google

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Feliz Aniversário!

Bom dia Vera!
O dia amanheceu lindo e assim tinha que ser!

Como explicar que usei
Flor para não dizer...
Outra palavra singela com tanto ardor

Em italiano também não o posso fazer
Espanhol é a mesma
Tem o mesmo valor...
Em um dia quente suave nasceu a flor mais bela
Inundando o jardim da vida com beleza e emoção
Trouxe brilho colorido para enfeitar
prima vera
Com seus olhos claros
Meiguice e sedução!
*
Imagem Google
* Graças poeta, pelas flores ao meu jardim!

sábado, 10 de outubro de 2009

Metáforas ao Palco


Metáforas tomam o palco de mim, evasivas
Lábia cantante, extravasantes risadas!
Cadeiras lotadas de cara pálida, te flertando como melhor lugar
Enchendo o seu olhar!

Levantam-se e se lançam sobre minha ignorância
Levando-te do meu foco... Fico descalça...
Minha intimidade á mostra, um frio tomando grandezas
Parte de mim escapando dos dedos...
Tantas línguas dispostas aos teus ouvidos!
E eu com o meu repente... Tra lá lá, ali e acolá
Tanto de mim, mas sem eu saber-lo falar!
O que queres ouvir, porque te vais?

Conta as histórias com mais jeito
Para eu saber o dialecto e agente se sentar...
Não corra, não voa, vem cá!
Que a gente pode trocar as línguas, eu uso a tua boca
Tu usas a minha... Assim comermos
Tomas a minha veste e do amamento, do que me diverges...

E se assim o quiserdes, a gente apaga
Os borrões dos contos de agora...
Vem! Que EU sou o vento varrendo o chão
Balançando os roseirais, e amaciando
O capim para perfumar o teu caminhar...

Também estou aprendendo a andar...
Mas te amar? EU sei de montão, é grandãoooo assim...
Beijossssssss
*
Vera Lúcia Bezerra Freitas
Imagem Google

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Semelhanças VERVAIN

Assim deveras
Diante os teus olhos...
Dou-te os versos que não sonhas meus...
Dou-te os apuros que assemelhamos desejos
A firmeza de uma vontade dilatada
Fica para outrora, doutas palavras!
E a minha verdade, planto e como?
E como- te, brotos, espinhos e rosa
Abra o meu seio e colhes, donde
Refugia-te a fortaleza das folhas, dos galhos... e
Rendidos os botões te amolam por água doce
Que afoitos
“Elevam-se para posse, fonte da tua boca”
Dona do trono, pura vervain
Que faminta os engole
*
Vera Lúcia Bezerra Freitas
Imagem Google

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Amigos Da Alma


Os Meus Anjos
Do Nada Chegam
Cheios de movimento
Nas asas, cobertas de gliter
Que eu imagino ser
Colhido das constelas de Eros
Que ao se movimentar, mesmo que alheio
Que Exuberância!
As partículas vibrantes vão caindo em
Leve metáforas, poesia como
Sendo chocolate em versos... Bem ai
As
nossas almas abraçam-se inebriadas
Se fundindo aos fragmentos da
Doçura dos seres alados
Bailamos na euforia e ao
Som dos nossos sorrisos, estampados
Em campos de flores silvestres
Voamos nessa plenitude ainda mais altoooo...

...VÊ as peninhas?
Elas caem por si, e já são cheias de brilho...

- DÓI, quando as arrancam, se nos reflectirmos nas
Meninas dos olhos um do outro...
Então;
TOMA a porta da minha boca...
Tão bom sorrir.
Tão bom ver os nossos sorrisos
Enchendo os olhares e cirandando em volta do
Nosso abraço...
Talvez seja assim o EU amar

Vera Lúcia Bezerra Freitas
Imagem Google

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

DESVAIRADA


Há uma
POESIA QUE EU AMO...
"Amuleto de encantar"
A tua mão é aquela, judia
Que se posta em noite de primavera sobre o
MEU peito para o meu coração acalmar...
Cinco dedos, cinco pontas
Minha guia estrela de DAVI
Os beija flores a cantam
Canção que só a alma alcança
Eu a desenho em páginas...
E a semeio sobre os elementos daqui.
Brotam borrões diversos de
VERSOS, e por serem
Cultivados entre meus lábios, são
Espremidos, machucados e manchados
Banham-se na saliva da minha boca
CALADOS... Condensados
Mas, és teu
O CÉU que te bordo encarnado
Fervilhando sobre o telhado aluado...
Onde os loucos, as loucas amam
E se alguma poesia atrevida me escapa!
Nenhuma faz voos vazia para ti...Sabes
DEUS
Há de
Acalentar a desvairada!
*
Vera Lúcia Bezerra Freitas